04.09.2018
Vazamento de informações: descubra como as empresas podem se proteger

O vazamento de informações é um dos maiores problemas de TI que as empresas podem enfrentar no cenário atual. Até mesmo grandes organizações, como a Netshoes e o banco Inter, já foram vítimas de roubos de dados que geraram grandes prejuízos, causando danos à imagem do negócio e perda de vendas.

Diante disso, muitas empresas estão adotando medidas preventivas para evitar que registros internos possam ser acessados por terceiros. Tais rotinas garantem a integridade dos usuários e evitam que ataques tenham sucesso. Veja, a seguir, 6 estratégias que podem ser utilizadas para essa finalidade!

1. Monitore a sua infraestrutura

Um dos passos básicos para evitar o vazamento de informações é monitorar a infraestrutura de TI. Por meio desse processo, o gestor consegue identificar vulnerabilidades, rastrear invasões e mitigar problemas com agilidade e precisão. Além disso, essa rotina pode ser implementada para que a companhia otimize a performance dos seus dispositivos, avaliando continuamente como o comportamento do usuário influencia o desempenho dos dispositivos.

O monitoramento deve ser feito em toda a infraestrutura. Os dispositivos de rede, por exemplo, devem ser monitorados em busca de pacotes maliciosos e demais fatores que prejudiquem a capacidade do usuário de se comunicar com outras pessoas sem ter a integridade da sua conexão comprometida.

Já os sistemas de arquivos e gestão podem ser monitorados em busca de contas que tenham sido invadidas ou tenham sofrido tentativas de roubo de dados. Em todos os casos, o monitoramento permite ao empreendimento bloquear, de uma maneira muito mais eficaz, uma série de situações que comprometem a sua capacidade de evitar o vazamento de informações.

O monitoramento de logs de uso também pode ser adotado. Ele auxilia o gestor a ter uma visão mais abrangente sobre todos os eventos da infraestrutura, desde acessos feitos por usuários a documentos internos até eventuais problemas de performance. Assim, a companhia pode otimizar de maneira mais inteligente a sua infraestrutura e as suas políticas de segurança digital.

2. Crie políticas de controle de acesso a ambientes virtuais e físicos

As políticas de controle de acesso reduzem o impacto causado por invasões, além de diminuírem as chances de uma pessoa obter acesso não autorizado a dados sigilosos. Elas devem ser aplicadas tanto a ambientes físicos quanto virtuais, dando mais proteção para os processos da empresa e, assim, garantindo que o vazamento de informações não ocorra.

Portanto, crie regras para que apenas as pessoas certas tenham acesso a projetos internos ou dispositivos que armazenam dados altamente sigilosos. Ao mesmo tempo, defina grupos de usuários para que o acesso a arquivos e sistemas fique restrito apenas aos profissionais de cada setor. Assim, a visualização e a alteração de informações internas serão limitadas de acordo com a necessidade de cada área.

3. Tenha um processo de atualizações rápidas para softwares e sistemas

Os processos de atualização são cruciais para que a empresa possa eliminar vulnerabilidades das suas aplicações. Portanto, o negócio deve ter uma rotina que garanta aos usuários a aplicação de patches de segurança com agilidade, evitando que os times fiquem expostos por longos períodos a falhas nos códigos-fonte, que podem ser exploradas por hackers para roubo de dados.

Diante disso, crie uma rotina para que novas versões dos softwares internos sejam testadas e implementadas com o máximo de agilidade. Isso vale também para os firmwares dos dispositivos existentes, uma vez que equipamentos conectados a redes são vítimas de ataques e roubo de dados. Assim, a companhia garante a integridade da sua infraestrutura e evita o vazamento de informações.

4. Defina uma política de mitigação de riscos

As políticas de segurança digital devem ser trabalhadas com um grande foco em medidas preventivas. E esse processo passa, principalmente, pelas estratégias de mitigação de riscos. Por meio delas a empresa consegue diminuir o número de vulnerabilidades na sua infraestrutura, além de manter mecanismos estruturados para diminuir as chances de ocorrerem vazamentos de dados.

Diante disso, faça uma análise completa sobre o estado da infraestrutura de TI e os principais pontos que podem levar a empresa a ser vítima de ataques. Levante dados sobre equipamentos com firmwares desatualizados, sistemas com patches de segurança que ainda não foram aplicados e outros itens que possam ser utilizados por terceiros durante ataques.

Com tais informações em mãos, a empresa deve adotar estratégias para mitigar ou neutralizar os riscosexistentes. Isso envolverá medidas corretivas, como a aplicação de atualizações pendentes, e rotinas de neutralização, como a migração de softwares legados para ambientes virtualizados. Dessa forma, a empresa consegue diminuir o impacto que possíveis problemas causarão na sua infraestrutura e garantir a integridade dos seus dados.

5. Não faça uso de softwares pirateados

O uso de softwares piratas pode ser considerado um dos maiores comportamentos de risco no ambiente de TI. Ferramentas que não foram licenciadas corretamente têm o código-fonte modificado por terceiros e, com isso, não há como a empresa garantir se scripts para a captura de dados foram inseridos na ferramenta. Além disso, sem o acesso a atualizações a companhia coloca os seus usuários em risco, uma vez que vulnerabilidades de segurança jamais serão solucionadas.

Trabalhe para que a companhia sempre utilize ferramentas licenciadas corretamente. Em caso de escassez de recursos, migre as licenças para programas de código aberto ou modelos de negócios como o SaaS — Software as a Service, ou Software Como Serviço, em que o pagamento do software é feito por meio de assinaturas de baixo custo, de acordo com os serviços contratados. Dessa forma, a companhia pode manter a sua infraestrutura segura sem comprometer os seus custos operacionais.

6. Treine os profissionais com boas práticas

O treinamento de profissionais é um dos pontos mais importantes de qualquer política de segurança digital. É importante que a empresa adote estratégias que promovam o engajamento de cada usuário, uma vez que muitos ataques tornam-se efetivos apenas após a interação do usuário com uma página falsa ou conteúdo malicioso.

A divulgação de boas práticas também é um fator estratégico. Empresas como a Apple investem em campanhas internas para conscientizar os seus profissionais a terem uma rotina mais segura, que evite a exposição de dados internos mesmo sem querer. Dessa forma, projetos e estratégias comerciais não saem do ambiente corporativo.

Em resumo, investir em segurança digital é algo fundamental para que qualquer empresa possa evitar o vazamento de informações. Se você quer conhecer outras dicas para proteger a sua companhia, assine já a nossa newsletter!