25.09.2017
10 tendências de mercado que nenhum gestor pode ignorar

Todo bom gestor entende a importância de acompanhar as tendências de mercado. No entanto, como hoje em dia as mudanças ocorrem em uma velocidade nunca antes vista, é preciso ficar ainda mais atento aos movimentos da economia, dos modelos de trabalho e dos padrões de consumo.

Neste post, compartilhamos 10 tendências de mercado que certamente influenciarão o planejamento e as operações das empresas em um futuro próximo, afetando diretamente o escopo de líderes, gestores e empresários. Veja, partir de agora, que tendências são essas!

1. Terceirização e outsourcing

Cada vez mais, a terceirização e a captação de recursos externos (outsourcing) aparecem como alternativas para cortar despesas e ter uma equipe interna mais enxuta. Ao terceirizar algumas atividades, as empresas são capazes de aliviar a carga de trabalho dos funcionários, além de reduzir drasticamente os custos com benefícios, FGTS, entre outros. Além disso, fornecedores terceirizados costumam ser especialistas no tipo de atividade que desenvolvem, o que pode elevar a qualidade das entregas!

A tendência é que, ao longo dos próximos anos, um número cada vez maior das entregas venha de fora do escritório. Como gestor, você pode estabelecer um percentual de terceirização de equipe e fazer uma transição gradual, começando agora e terminando daqui a alguns anos. Lembrando que, normalmente, as atividades terceirizadas são aquelas mais braçais e menos estratégicas, que não fazem parte do core business do negócio.

2. Operações remotas

A cada dia que passa, mais trabalho é feito com o uso da internet. O acesso a dispositivos móveis está extremamente facilitado e grande parte do trabalho feito nas empresas é desenvolvido totalmente com o uso do computador. Nesse cenário, são muitas as organizações que contam com trabalhadores remotos.

E isso não diz respeito apenas à terceirização. Hoje, principalmente em países como os EUA, até mesmo cargos de gerência já são executados de casa, em regime de home office! Com horários mais flexíveis e menos tempo gasto com deslocamentos, os funcionários tendem a ficar mais satisfeitos, contribuindo para o aumento da produtividade e da qualidade das entregas. Além disso, a empresa é vista como um ambiente moderno e conectado às tendências, o que atrai muito mais talentos.

Empresas como Dell, Xerox e American Express estão entre as companhias que mais contratam trabalhadores remotos. E como a estimativa geral é de que o mercado brasileiro esteja de 5 a 10 anos atrás do norte-americano, o que já é tendência lá fora há alguns anos deve chegar aqui muito em breve!

3. Revisão e automação de processos

Com o exponencial crescimento das startups e as recorrentes crises econômicas, a filosofia do escritório enxuto só cresce. O Lean Office engloba vários aspectos, como:

  • equipe presencial reduzida com o auxílio da terceirização e do home office;
  • uso de sistemas para automatizar processos de negócios, passando a desempenhar tarefas operacionais que antes eram executadas por colaboradores;
  • revisão dos fluxos de trabalho, tornando indivíduos e equipes cada vez mais independentes e evitando que os processos travem por burocracias e excesso de hierarquias internas.

Para os profissionais que querem abraçar essa filosofia o quanto antes, uma boa oportunidade de leitura é o livro The lean startup, que traz insights poderosos para qualquer tipo de negócio.

4. Receita e monetização

Já existem atualmente muitas novas maneiras de receber pagamentos. Um exemplo é o crowdfunding, que reúne pessoas para viabilizar um projeto em que todos acreditam por meio de doações. Na verdade, como essa tendência começou em 2008, já é uma realidade em expansão. Falamos sobre a economia compartilhada e como sua empresa pode aderir aqui.

5. Transformação digital e mobilidade corporativa

Transformação digital é uma expressão que surgiu para descrever o avanço acelerado do uso de novas tecnologias por empresas de todos os tipos. E o exemplo clássico de companhia que se aproveitou da mobilidade corporativa (uso dos dispositivos móveis por empresas) é o da Uber.

Como abordamos neste post sobre transformação digital, o conceito vai além de usar a internet como meio de comunicação. Trata-se de usá-la como forma de atender, relacionar-se com o cliente e entregar o próprio serviço ou produto da melhor maneira possível.

6. Foco em números e produtividade

Independentemente de sua área de atuação, os profissionais modernos precisam estar preparados para a era da mensuração. Foi-se o tempo em que o trabalho era feito apenas de modo intuitivo. É fato: as empresas trabalharão cada vez mais com métricas em todos os setores.

O que não é medido não pode ser melhorado: esse lema se tornará a base para compreender o comportamento do consumidor, as ações de marketing, as melhorias dos processos, o aumento da produtividade, os alcances das metas e assim por diante. Esse é um ponto que deve ser implementado imediatamente nas empresas, estabelecendo indicadores-chave de performance (KPIs) para as diferentes áreas e, claro, acompanhando se esses KPIs estão mesmo sendo atingidos.

7. Sustentabilidade à frente

Antigamente, muitas empresas tinham gestores preocupados apenas com os resultados de venda no curto prazo. O problema é que, na velocidade em que as atividades acontecem atualmente, focar somente em ganhos imediatos acaba comprometendo o mercado e até a própria empresa!

Ao contrário do que muita gente pode pensar, sustentabilidade não envolve apenas o cuidado com o meio ambiente. Trata-se, na verdade, de construir projetos, culturas, parcerias e produtos duradouros, que se sustentem e evoluam de forma natural com o passar dos anos. Para entender melhor como aplicar na prática, confira nosso post sobre sustentabilidade nas empresas!

8. Remuneração por resultados

Com o aumento do outsourcing e do trabalho remoto, o microgerenciamento diminui. Com os colaboradores passando a fazer seus próprios horários, faz cada vez menos sentido remunerar por tempo trabalhado. Levando esse cenário em consideração, a tendência é de que tanto as empresas como os próprios funcionários prefiram a remuneração por resultados.

Como gestor, para implementar essa cultura dentro dos próximo anos, vale a pena se perguntar: como posso estabelecer possibilidades de remunerar minha equipe por resultados alcançados, fazendo-o de forma gradual?

9. Uso estratégico do RH

Em muitas empresas, o setor de Recursos Humanos fica responsável apenas por organizar eventos, formalizar admissões e implementar ações a favor da integração da equipe. Chegou a hora de ver que essa é uma área com enorme potencial estratégico! O líder pode, desde já, começar a pensar em soluções conjuntas com o RH do negócio para:

  • alinhar as pessoas à estratégia da empresa e da área, promovendo mudança cultural para que a organização realize o seu propósito e seja bem sucedida;
  • desenvolver competências que impulsionem as pessoas para os resultados empresariais  e, ao mesmo tempo, para a evolução profissional;
  • criar um clima organizacional propício ao engajamento e à realização das pessoas.

10. Integração de vendas com marketing

Antigamente, praticamente todo o trabalho de preparação do cliente para a venda ficava por conta dos próprios vendedores. Isso sem falar na venda em si, claro. Já hoje, a situação nas empresas modernas é outra: o marketing é responsável por atrair pessoas, transformá-las em potenciais clientes, nutri-las com conteúdo relevante e conduzi-las para que se aproximem cada vez mais do fechamento. Para isso, no entanto, é fundamental que exista uma sinergia entre as áreas de marketing e vendas.

O gestor pode tomar a frente para organizar estrategicamente o fluxo de trabalho e a troca de informações entre esses setores. Estratégias úteis para esse trabalho são o inbound marketing e o marketing de conteúdo. Além disso, algumas ferramentas que podem ajudar são os softwares de captação e nutrição de leads e os softwares de CRM, focados na gestão e no relacionamento com o cliente.

Depois de conferir as tendências de mercado que nenhum gestor pode ignorar, é hora de refletir e avaliar. O que pode ser feito já no curto prazo para se adaptar às novas tendências? Como você e sua equipe podem planejar transições para acompanhar os movimentos do mercado? Acredite: as respostas para esses questionamentos podem mudar o rumo dos resultados corporativos nos próximos anos!

Por fim, se você gostou deste post, compartilhe-o com seus amigos e colegas nas redes sociais! Assim, mais pessoas e empresas ficarão por dentro das tendências de mercado!