29.08.2017
Como garantir a segurança digital da empresa?

Para empresas dos mais diferentes setores e portes, os últimos anos foram marcados pela ampliação no número de ameaças e desafios na área de segurança digital. Seja pelas ondas de ataques de ransomwares ou pela incorporação de novas tendências de TI, como o Bring Your Own Device (BYOD) e a Internet das Coisas (IoT). É fato: a quantidade de fatores que podem influenciar a capacidade de um negócio se proteger contra ataques virtuais cresce diariamente.

Nesse cenário, a empresa deve criar uma política de segurança digital abrangente, com capacidade para abordar vários aspectos do negócio. Dessa forma, é possível rastrear e eliminar vulnerabilidades antes que elas efetivamente impactem o fluxo de trabalho das equipes. Quer saber quais são as melhores estratégias para atingir esse objetivo? Então não deixe de acompanhar o nosso post de hoje!

Use a computação em nuvem a seu favor

A computação na nuvem surgiu como uma tecnologia que permite às empresas terem uma rotina com alta mobilidade. Ao mesmo tempo, a cloud também pode ser usada para eliminar custos e gerar maior competitividade para o negócio, bem como para gerar mais confiabilidade aos serviços de TI do empreendimento, viabilizando que gestores tenham um ambiente de trabalho com menos vulnerabilidades e falhas de segurança.

Para tornar seus softwares mais seguros, entretanto, a empresa deve contratar ferramentas que sejam executadas na nuvem. Além de exigir um investimento menor, o licenciamento de soluções de TI via Software as a Service (SaaS) dá ao negócio um acesso mais rápido a novas versões de um programa, o que ainda proporciona escalabilidade. Dessa forma, os usuários ficarão menos expostos a eventuais problemas de segurança e erros de código.

Tenha políticas de backup

Sempre que uma falha acontece, a empresa corre o risco de perder dados importantes. Aí entram as políticas de backup, criadas para evitar que isso prejudique seu negócio e garantir que serviços sejam rapidamente retomados caso algo ocorra.

Uma política de backup tem como principal objetivo criar cópias daqueles sistemas e arquivos mais importantes para o negócio. O ideal é que ela envolva todos os dados que podem causar um grande impacto no negócio se forem eliminados abruptamente. Além disso, a companhia precisa salvar seus backups em múltiplas mídias e efetuar testes de integridade regularmente. Isso maximiza a acessibilidade de qualquer registro caso a infraestrutura de TI sofra algum dano.

Implemente regras de controle de acesso

Acredite ou não, é fato: uma única conta comprometida pode causar um grande impacto na infraestrutura de TI do negócio. Assim, para evitar que o acesso a vários recursos leve a empresa a ter prejuízos, deve ser criada uma política para liberação de acessos essenciais para a execução das atividades de cada usuário.

Com esse propósito, é preciso começar avaliando como é a rotina de cada área. Dessa forma, o negócio pode limitar o acesso a recursos com alta precisão, sem que o trabalho de nenhum setor seja afetado. Com isso, a empresa garante o menor impacto possível caso uma conta seja comprometida.

Monitore a infraestrutura de TI

O monitoramento da infraestrutura de TI precisa ser um trabalho constante, executado em tempo real e de maneira abrangente. Sejam as conexões de rede ou os sistemas internos, o negócio deve usar soluções de Tecnologia da Informação para avaliar o comportamento dos usuários, identificar vulnerabilidades e detectar a eventual presença de ameaças dentro do ambiente digital.

Soluções de Firewall e de Prevenção de Intrusão, por exemplo, verificam todos os pacotes enviados e recebidos em busca de possíveis ameaças. Dessa forma, caso algo de errado seja encontrado, é possível bloquear conexões inseguras automaticamente, reduzindo a chance de a empresa ser vítima de ataques.

Providencie a segmentação da rede

A segmentação de rede é uma das principais medidas de segurança digital para evitar que o negócio seja totalmente impactado por um ataque virtual. Para implementá-la, você precisa dividir os equipamentos em grupos independentes, de acordo com seu uso.

Isso pode ser aplicado, por exemplo, a dispositivos da Internet das Coisas que são utilizados internamente. Segregando os equipamentos em redes menores, em caso de ataque, seu impacto será limitado.

Incentive boas práticas no dia a dia

Um dos principais pontos das políticas de segurança digital é a necessidade de treinar e incentivar profissionais de todas as áreas a terem boas práticas no seu dia a dia. Afinal, muitos ataques podem ser evitados por ações do usuário!

Nesse sentido, instrua os profissionais a criarem uma rotina de trabalho segura, que elimine qualquer comportamento que coloque sua segurança em risco. Entre as principais práticas, podemos destacar:

  • usar senhas complexas, com letras, números, símbolos e variações entre maiúsculas e minúsculas;
  • compartilhar dados por meio de um serviço de armazenamento em nuvem;
  • não clicar em links de e-mails enviados por remetentes desconhecidos;
  • sempre copiar e colar a URL de um link em vez de clicar automaticamente;
  • não executar macros em documentos do pacote Office automaticamente;
  • confirmar envio e recebimento de mensagens com anexos diretamente com o destinatário ou remetente por meio de outros canais de comunicação;
  • evitar usar mídias removíveis em máquinas desconhecidas;
  • não se conectar a uma rede pública;
  • sempre que possível, usar VPNs em redes que não sejam as da empresa.

Para complementar este post, aproveite para aprender também sobre a importância do armazenamento em nuvem para o ambiente corporativo!